EDITORIAL: reDOBRA7

corpo editorial

A reDOBRA número sete* configura-se num corpo on-line derivado de um processo de consolidação de seus propósitos, expectativas e possibilidades. Assume uma postura mais reflexiva, buscando identificar as especificidades das sessões, na expectativa de aprofundar nosso posicionamento teórico, estético e urbano e potencializar possíveis dobras neste processo. Começamos aqui, junto com as revistas Global,  Entretrópicos e Piseagrama a exercitar a idéia/prática de uma rede colaborativa de produções editoriais.

A expectativa é articular ações editoriais aliadas e estimular  trocas entre produções colaborativas que aprofundam, ampliam ou apontam criativamente caminhos para a investigação do agenciamento corpo-cidade. Algumas ações apontam para a aproximação destas produções, como a entrada de Bárbara Szaniecki (GLOBAL) e Renata Marquez (PISEAGRAMA)  no Conselho editorial da redobra e a colaboração de Gabriel Gutierrez (ENTRETRÓPICOS) na sessão tumulto deste número.

Desta vez, a reDOBRA é INFILTRADA por Gaio Matos, artista baiano  que nos coloca suas pequenas e grandes percepções urbanas em “calos-clandestinos-puxadinhos-duplos-ambulantes…” Séries de trabalhos que ampliam nossa concepção do que faz as cidades, de como e quem nela mora.

A sessão CORPOCIDADE – que trata de aspectos diretamente relacionados ao evento previsto para acontecer em novembro deste ano, no Rio de Janeiro e em Salvador – traz um detalhamento sobre os debates presenciais. Eles serão os momentos mais importantes de troca e construção do CORPOCIDADE e por isso publicamos um texto de Fabiana Dultra Britto que desenvolve a “experiência como risco”. Ela esclarece o que pode ser a provocação, esta condição necessária para efetuar a inscrição. Neste sentido a reDOBRA funciona como matéria-prima para sua elaboração e aproveitamos para lembrar que as inscrições são gratuitas e estão abertas até o dia 22 de outubro para quem se interessar em publicar nos cadernos oficiais do evento.

FERRAMENTARIA trás a experiência urbana “Amarelinha”, descrevendo uma proposta de intervenção urbana que relaciona o jogo e o cotidiano na cidade. Ela foi realizada em dois lugares do Rio de Janeiro, descreve e problematiza estas ações e, ao final, nos convida a levar esta experiência para outros lugares.

No resumo do livro “Marcher en ville. Faire corps, prendre corps, donner corps aux ambiances urbaines”, publicado em CONTÁGIO, a pesquisadora francesa Rachel Thomas aborda o caminhar na cidade como uma possibilidade de ação face às transformações atuais da cidade.

Dois relatos realizam TROCAS sobre territórios no Rio de Janeiro e em Paris. Eduardo Rocha em “corpo a corpo na Farme” trata dos processos de conflito e acomodação de diferenças, convivências e práticas sociais num trecho  específico da praia carioca. Moreno Baeta Neves narra uma percepção sensível-afetiva acerca da presença corporal da prostituição nas ruas de Paris.

TUMULTO, uma sessão do campo da dissidência que acomoda diferenças bem vindas, apresenta outras formas de apreensão da cidade: o vídeo “image-off” de Lourival Cuquinha; as anotações do bloquinho de Laura Castro sobre Brasília e Salvador – acrescidas pelas imagens cedidas por Augusto Cerqueira Santos; três perfis e seus modos de vida singulares na cidade de São Paulo, trazidos por Gabriel Gutierrez; e uma reflexão de Alan Sampaio e Washington Drummond em “O artifício e a morte“, sobre a construção de imagens de cidade a partir da fotografia.

Por fim, gostaríamos de agradecer todas as manifestações de apoio dos conselheiros editoriais e leitores sobre a edição anterior (redobra n.6), que significou uma retomada das publicações da revista após um ano de interrupção. As críticas e sugestões foram preciosas, os elogios deliciosos e propomos a vocês, leitores, fazermos do espaço dos comentários uma possibilidade de um debate coletivo.

Esse post foi publicado em corpocidade 2010, [re]dobra e marcado , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para EDITORIAL: reDOBRA7

  1. Pingback: Lançamento reDOBRA 7 « Laboratório da Conjuntura Social: tecnologia e território

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s